Melhores sensações da vida

Constantes e gratis. La vão elas:

– Ir ao banheiro depois de passar muito tempo apertado e sentir aquela mistura de prazer e alívio ao colocar tudo pra fora.

– Sentir a primeira pancada de água quente num banho de inverno, quando todos os pêlos arrepiam e nos sentimos desmanchando, esvaindo pelo ralo…Sensação sanada pelas benditas banheiras, que ficam só com o desmanchar-se.
O mesmo pode ser dito ao contrário – a primeira pancada de água  gelada no verão (substituida pelas piscinas e pelo mar) tão eletrica que dá impressao de ter levado consigo não só suor ou sujeira quanto qualquer coisa negativa.

– Primeiro pedaço de chocolate, gole de coca-cola, bicada no café, trago de um cigarro, teco no pó, pega no cachimbo, e todo ápice do efeito de subtâncias que causam dependência. O momento onde algo ilusoriamente essencial é suprido.

– Beber chá quente imediatamente após muito esforço no frio ou após acordar em um lugar frio.  Pessoas que vivem na montanha ou na neve de forma rústica fazem disso quase um ritual. A sensação de conforto, quentura, cuidado é tanta que vira maternal, dá pra se sentir de volta ao útero.

– Ir embora de um encontro apaixonado(a), seja ele romântico ou entre amigos. É eufórica a sensação de lembrar de cada minutinho bom após uma noite surpreendente – poder passear por cada boa fala, boa piada, por cada carinho compartilhado…Inspiração pra vários dias!

– Acordar de um meio-sono (de um estado alpha ou cochilo), dar-se conta disso e voltar a dormir. É deliciosa a sensação de estar quase dormindo. Aquele momento onde o que está acontecendo à sua volta se mistura com o seu inconsciente, com esboços de sonhos… Parece que ficamos tão vulneráveis a qualquer coisa, tão sensíveis…Vez ou outra acordamos desse meio-sonho num susto, as vezes babando, as vezes naturalmente. Depois de perceber-se quase sonhando, voltar a dormir – dessa vez mais pesado – é mais pacífico possível. Se o meio-sonho era ruim, voltar a dormir pesado é um alívio. Se o meio-sonho era bom, voltar a dormir é confortante.

– Receber massagem bem feita num lugar carente de cuidado. Acho que os ocidentais subestimam demais a necessidade de apertar o corpo uns dos outros ou o próprio. Levar um aperto no lugar certo dá um espasmo momentâneo, é como se a sensação de cura de dias condenssasse em dois segundos. Além do prazer, pode evitar gastos com medicamentos, fisioterapia e afins.

 – Por fim, o básico e indispensável orgasmo, especialmente se simultaneamente ao do(a) parceiro(a). O momento onde nada mais existe.

Benditos liberadores de serotonina, endorfina, adrenalina, vocês fazem a vida valer a pena <3

Anúncios

Sobre ariaround

25, santista, apaixonada e viajante em todos os sentidos...agora em Goa, na Índia. Amante da escrita, de lugares novos, crenças e pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: