Dansk Design

Junho é um mês em que o verão ainda não apareceu muito na Dinamarca…Dias frios e meio chuvosos pedem programas indoor, então deu pra visitar alguns outros museus além do Glyptotek.

O museu de Design Dinamarquês tem umas criações interessantes e na data em que eu fui, recebia a exposição “Hello materials”, que expõe, obviamente, diversos tipos de  materiais, formas e texturas pra serem tocadas e inspirar. Bem legal pra pegar dicas.

O museu em si não é grande e nem dos lugares mais bonitos em arquitetura, então vale a pena checar o que está em cartaz antes de visitar.

Minha vez até que valeu a pena. :)

indispensáveis Legos.  Além do design, o nome vem do dinamarquês leg godt, que significa “play well”;)

cuisine

materials

materials

cafe

materials + videos

Anúncios

NY Carlsberg Glyptotek, Copenhagen

Confess0 que nunca fui muito de escultura, mas mudei meus conceitos depois de visitar esse museu, que tem a coleção da família Carlsberg.
Só os melhores nomes da área e peças que parecem que vão sair andando por aí. Alguns momentos troquei olhares com esculturas que me deram arrepios. haha

O museu tem também uma coleção boa de pintores impressionistas e pós impressionistas tipo Monet, Renoir, Degas, Cezanne, Van Gogh etc, mas o que chama mais atenção mesmo são as esculturas, devidamente instaladas num lugar de arquitetura impecável. As fotos falam por si. :)

Jardim de inverno

Jean Baptiste – Corpeau

Greek goddesses

cadê? – Rodin

Victor Hugo by Rodin

Louis-Ernst Barrias

Agathon Van Weydelvelt Leoanrd

Rodin collection

Back to Spiseloppen

Há dois anos atrás tive a cara de pau de chegar me apresentando e pedir trabalho, e dois dias depois eles me ligaram.

Peguei alguns shifts, mas logo depois tive que ir embora de Copenhagen e lamentei de não poder trampar mais!

PENSE num ambiente de trabalho agradável!

Spiseloppen é o cartão de apresentação de Christiania. Tem chefs e staff de diferentes lugares do mundo trabalhando…Poloneses, franceses, brasileiros, romenos, etiopianos…

Todos os dias há um prato especial e o menu sempre muda, então é impresso diariamente.
Podemos trabalhar bebendo por muito barato e nos deliciando com o que sai da cozinha, mas o melhor de tudo MESMO é que todos trabalham para a comunidade, o restaurante não tem dono. Por isso há também uma flexibilidade de poder sair, voltar, indicar alguém…
Claramente, todos recebemos do lucro do restaurante, mas o que sobra enche o bolso da comunidade, e não de uma só pessoa.

Apesar de ser no meio de uma comunidade nem sempre bem vista pelos dinamarqueses ou pelos mais conservadores, o Spiseloppen recebe gente de todo tipo e do mundo todo e tem 100% de reserva todo dia.

Meu primeiro turno de volta foi lindo, a equipe dessa vez ta ainda mais sorridente e entrosada do que da última!  Aproveitamos o esquenta no trabalho pra ir dançar depois.

As fotos da cozinha e afins ficam pra próxima. rs

salão pronto

bar

bread table + our table

Florentine <3

russian suicide

Sara, Maria, John & Carla

skål!

round number….o.O

night rides

yuuuhuuuuu

Found!

Segundo dia em Copenhagen, os amigos sem bikes sobrando e eu, um tanto contrariada comprei o bilhete promocional de ônibus, de 10 passagens com desconto.

Voltávamos pra casa e resolvemos cortar caminho por um campo de futebol enorme. Tinha três garotos jogando bola com suas três bicicletas estacionadas, quando vimos perto de outra trave, bem longe e sem ninguém por perto, uma bicicleta abandonada, em ótimo estado, só com um pneu murcho e corrente um pouquinho enferrujada.

E aí saiu essa foto.

:)

Copenhagen é assim. Tem mais bicicleta do que gente. E as pessoas adoram ficar loucas (o suficiente pra esquecer, largar, ou desistir de uma bike no meio do caminho). Sorte a minha. rs

 

Back to dear Christiania

Achei que demoraria mais a voltar pra o incrível “freetown” Christiania. Já falei dessa comunidade independente outras vezes no blog. Dá pra ver aqui ;).

Poucos são os lugares que me fazem sentir tão bem como esse! É lindo! E um dos mais perto de “free” que já vi.

Domingo ta rolando show de reggae e afins…Todo mundo juntinho pra esquentar! :)

Nemoland. <3 Bar com muito gamão, joints, tuborgs e com o espaço pra shows.

Nemoland toilet

Nemoland toilet, com aquário no teto. Inspirador pro xixi. :)

Europeans

These people know how to party :)

Entrada do último dia do Distortion Festival

Sim, isso é uma pista da festa dentro de um ônibus suspenso. rs

Impossível não entrar no clima :)

Escher in het paleis

Escher Escher Escher…Preciso dizer alguma coisa?

Há bastante tempo (quase 10 anos eu diria) sonho com o dia em que veria suas obras tão de perto.
Peguei um trem até Den Haag (mais ou menos 1 hora de Amsterdam) e fui conhecer o palácio que expõe suas coisas. Eu já tinha matado um pouco da vontade com a exposição do Centro Cultural Banco do Brasil (que foi feita em parceira com o palácio), mas é claro que a experiência em Den Haag foi única e incomparável!

Além das obras, eles também expõem algumas pedras de litografia e madeira das xilogravuras usadas pra fazer todas as que estão espalhadas por ai! Queria muito roubar um pedacinho daquilo….

O palácio é o antigo palácio de inverno da familia real holandesa  e tem três andares com obras do querido Maurits. Explica as fases da sua arte, os desenhos, as xilos e quando a coisa descambou pro infinito e eternidade, temas que relacionam muito com as obras.

Tem fotos, instrumentos, anotações, peças tridimensionais em madeira, e tem também algumas instalações como a que foi feita no Brasil da casa desproporcional. Além dela tem a bola que reflete sua imagem, tem um chão que desmorona com videomapping, e algumas outras pinturas na parede que também remetem a ilusao de ótica.

À parte da maravilha escheriana, a decoração do palácio também impressiona. Apesar de mobília e afins ja ter quase tudo ido embora, os ambientes são amplos e espelhados, coisa que combina muito com Escher. Todas eles são decorados com lusters maravilhosos de um artista de Rotterdam chamado Hans Van Bentem e só fazem o conjunto todo ser mais especial!

Hortus Botanicus

Desde antes de vir pra Europa, vi na internet algumas fotos de uma casa de vidro em Amsterdam. Fazia parte de um jardim botânico daqui e decidi que não passaria na cidade sem vê-lo.

O Hortus Botanicus é dos mais antigos do mundo, foi fundado em 1638 pra cultivar ervas medicinais. Nele se encontram mais de 4 mil espécies de plantas de todos os continentes, que crescem no própria jardim ou numa das casas de vidro. Elas juntas representam 7 climas diferentes e tão diferentes que são facilmente identificáveis.

Eu que nunca tinha ido em jardim climatizado fiquei impressionada com a mudança brusca de um clima pra outro. Me senti planta. :)
É como se além de entender, eu pudesse sentir o porque no deserto nascem cactus e na floresta tropical nasce tanta coisa. O ambiente era tão quente e úmido que achei que ia brotar alguma coisa dos meus dedos! Muito realístico.

Além das casa climatizadas, o jardim em si é um lugar lindo, todo arrumadinho, construção clássica, é um lugar pra passer tempo independente de se interessar ou não pelas espécies que ali estão porque só o fato delas estarem ali já faz do lugar extremamente agradável. Além das plantas, tem também uns mini lagos,  tem banquinhos e claramente, muitas aves e pequenos insetos bem alimentados.

Tem também uma casa de vidro dedicada às borboletas, que sem dúvida foi a minha preferida. Acho que das 3 horas que passei no jardim, uma delas inteira foi na pequena casa das borboletas. Incrível bater o olho em qualquer lugar e ver pelo menos uma delas. As vezes 3, 4, 5, várias… Eu não conseguia sair de lá!

Vale muito a pena!